Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog Restart

A Restart é um centro de formação profissional que constitui um espaço único de formação, produção e animação cultural em Lisboa.

Workshop Captação de Som para Instrumentos Musicais_ Avançado | 7, 8 de Maio | Formador: José Fortes

 

 

 

PÚBLICO ALVO
Profissionais e estudantes avançados de som com conhecimentos mínimos da operacionalidade de captação, interessados em averiguar e questionar os modelos dominantes.

OBJECTIVOS
Reflectir sobre o entendimento do microfone, não só enquanto instrumento de captação mas também como peça de criação sonora. Os papeis possíveis no desempenho de uma boa gravação.
Operação de várias técnicas de captação de som e análise crítica das mesmas, atendendo em especial a factores de natureza acústica – relação espaço-microfone.



CONTEÚDOS

1º Dia manhã

Como vejo o som
• O meu início
• A evolução
• Os meus conceitos
• As salas e as acústicas
• Como trabalho
• Debate de ideias

1º Dia tarde

A captação de som
• Os vários processos de captação
• Qualidade, dinâmica e espaço
• Os microfones
• Os formatos de captação

2º Dia manhã
O produto final
• Mistura acústica e mistura eléctrica
• Qualidade, dinâmica e espaço
• Como ouvem os diversos formatos de captação estéreo
• Audição de vários formatos de captação e mistura
• Debate de ideias

2º Dia tarde
Manipulação do som
• Captação estéreo e multipista
• Vantagens e desvantagens
• Mistura e masterização


HORÁRIO
10h às 13h e das 14h às 19h

HORAS
16h

VAGAS
12 Participantes
(mínimo 8)

ADMISSÃO
Técnicos profissionais de som e alunos com o 1º ano de Som da Restart concluído.

PREÇO
Inscrição - 50€
Geral + 100 €

| comunidade restart: 20% desconto
| dois workshops: 15% desconto no 2º workshop
| parceiros restart: 10% desconto

(descontos não acumuláveis e aplicáveis apenas ao valor “Geral”)
Pagamento integral até uma semana antes do início

 

 

FORMADOR | José Fortes

Técnico de referência no panorama discográfico nacional, responsável por uma parte considerável da discografia editada em Portugal, José Fortes assume-se acima de tudo, como um técnico de captação de som. Dando especial ênfase aos aspectos de captação na definição do “som” de um disco, prefere a morosidade de uma boa localização de microfones à multiplicidade de opções de processamento e privilegia o processo de escuta em detrimento do processo de masterização. Segundo palavras suas, o som faz-se na captação, utilizando para tal, o microfone e acima de tudo, o ouvido.
De entre o seu quase interminável percurso, destacam-se os trabalhos no AngelStudio, Rádio Triunfo, Edipim, Estúdios Valentim de Carvalho, Fortes & Rangel, sem esquecer os longínquos trabalhos com Michel Giacometti entre 61 e 64, e os “Discos Orfeu” entre 58 e 64!
Gravou um inquantificável número de autores nacionais e internacionais, de entre os quais podemos destacar de forma quase aleatória, os nomes de Olga Pratz, José Peixoto, Júlio Pereira, José Mário Branco, Fausto, Fernando Tordo, Paulo de Carvalho, Rui Veloso, Taxi,

Heróis do Mar, UHF, Trabalhadores do Comércio, Mão Morta, Paulo Amorim, Elsa Saque, Carlos do Carmo, José Afonso, Vitorino, Luis Cília, Pedro Burmester, Carlos Paredes, Anabela Chaves, António Pinho Vargas, Irene Lima, Abel Pereira, Artur Pizarro, Hilliard Ensemble, assim como a Orquestra do Norte, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra do Norte, Orquestra das Beiras, Orquestra do Teatro Nacional de S. Carlos, Orquestra Clássica da Madeira, etc.

2 comentários

Comentar post